Depoimentos de egressos e alunos

MUDAR A LÓGICA PARA UMA FOTO E TEXTO.

 

Junho de 2011

Vinicius Janoni, 36 anos – egresso da Radiologia.

Quando procurei o cenib para fazer o curso de radiologia, por indicação de um amigo, não sabia bem o que me esperava. Mas logo no inicio do curso percebi que se tratava de um caminho seguro e promissor para mim. Considero-me feliz e realizado como Técnico em Radiologia, e ainda me sinto privilegiado por fazer parte da primeira turma da escola, iniciada em 2001, quando o curso ainda tinha duração de dois anos. Se comparar com o programa de hoje poderíamos achar um longo curso, mas não me arrependo e faria outra vez, se fosse o caso. Sei também que a didática, os métodos e a tecnologia utilizadas pela Escola hoje compensam  plenamente o tempo conseguindo inserir  maior parte de conteúdo. O orgulho aumenta quando me lembro do quadro de professores espetaculares da época (Neves, Carlos Fernando, Antonio Brasil, Andrea Viviane, e outros que me falham agora na memória). Embora não tenha passado muito tempo desde a minha formação técnica, vejo que evoluímos muito rápido também no ensino. Tenho um misto de inveja e de ciúme dessa geração de futuros colegas (no bom sentido), pelo nível de ensino que tenho visto, tendo por base a escola cenib. Dos colegas de turma só não trabalha na radiologia quem esmoreceu e parou. Fiz várias seleções e concurso e me saí bem na maioria, sendo selecionado e classificado em alguns, tendo escolhido os que melhor me reconhecem e remuneram; o Ministério da Saúde e outro na área privada. No entanto, aqui vai um alerta aos novos; mesmo na época da minha formação os colegas que melhor estão inseridos no mercado de trabalho da radiologia fomos os que nos dedicamos mais e procuramos cursos de extensão e atualização técnica. Hoje esse caminho não é mais uma tendência mas sim uma necessidade ou mesmo uma obrigação para aqueles que não teem tempo a perder. No meu caso e de outros colegas que me acompanharam, fizemos o curso de TC com o Dr Flávio Brasil e foi exatamente nessa área do mercado que nos direcionamos e nela estamos até hoje, a ponto de ser convidado pela escola para ajudar nas aulas de TC com a minha experiência e conhecimentos. Era muito jovem, tímido e inexperiente quando iniciei o curso. Agradeço pelo bom preparo profissional e de cidadania que recebi da escola, itens primordiais para me tornar o que sou, podendo transmitir ética, segurança, respeito e harmonia na minha família, nos meus trabalhos e no convívio social.

Tr Vinícius Janoni

 

 

Maio de 2011

Ana Claudia Souza, 27 anos – egressa da Radiologia.

Sou técnica em radiologia formada na Escola CENIB há alguns anos. Quando conclui o ensino médio, sem experiência de trabalho e da vida, fui orientada por um amigo do meu pai que era um experiente técnico, que também me indicou a Escola. Morava em Cachoeiras de Macacú e tive que me inserir numa turma de dois anos de duração com aulas aos sábados, horário que existia na escola, naquela época.  Mesmo sendo uma vez por semana foi muito trabalhoso e difícil principalmente pelos horários de condução, o rigor e o horário integral. Mas, logo no início do curso vi que aquele era o meu caminho, o que foi confirmado quando, enquanto estagiária, conhecia a realidade da radiologia e de alunos de outros cursos. Percebia também a preocupação da escola com o preparo dos alunos para o mercado de trabalho, o que me ajudou muito devido a minha grande timidez e imaturidade, já que era muito jovem. Atendendo aos incentivos da escola fiz, com vários colegas ainda estudantes, um concurso para a rede pública federal, tendo sido aprovada com vários outros. Os primeiros classificados logo assumiram, inclusive alguns formandos e recém formados da escola, tendo o Ministério da Saúde suspendido as convocações por um longo tempo. Conclui o curso, tendo colado grau em uma linda e inesquecível cerimônia – fico orgulhosa quando vejo a minha foto em um quadro da sala da diretoria, não me afastei da escola e ela também não esqueceu de mim. Sempre estimulada a estudar e fazer novos cursos pude ampliar e diversificar  minha experiência de estágio e logo fui indicada pela escola para algumas entrevistas de trabalho. Dessas, trabalhei em duas clinicas e, quando menos esperava, eis que fui convocada pelo Ministério e lotada no Hospital federal do Andaraí, onde desenvolvo meus trabalhos com dignidade profissional e respeito. O salário me permitiu fazer escolhas e agora me programo para passos seguintes com calma e segurança suficiente para selecionar ofertas para novos trabalhos na área. Não quero para de estudar. Sou muito grata à escola, aos professores e funcionários, além dos colegas que me ajudaram nos estágios, especialmente a Dra Zélia da Policlínica.  Para vocês, tenho algo mais a dizer: terem me ajudado foi um ótimo investimento social. Hoje, além de ajudar a minha família, me sinto bem em ajudar pessoas que, como muitos, só precisam disso para seguir seus caminhos. Foi o que tive. É o que repasso.

 

 

Abril de 2011

Marco Antonio Pereira, 44 – egresso da Radiologia.

Sou Marco Antonio Pereira, técnico em radiologia formado por esta instituição.  Procurei o cenib por indicação de profissionais gabaritados e de sucesso. Tudo começou quando senti a necessidade de modificar minha vida, acho até que esta necessidade veio um pouco tarde devido a minha idade. Mas, o que realmente interessa é que no ano de 2008 iniciei nesta escola o curso de radiologia em meio a muitos problemas profissionais e pessoais, mais sempre contando com a paciência e dedicação de todos os que compõem esta instituição em muitos momentos estive prestes a desistir mais segui em frente. A propósito, não poderia deixar de citar a colega de turma e irmã que a radiologia me deu. Ela se chama Heloisa Santos também técnica em radiologia formada pelo cenib e hoje tenham a certeza, ela é um dos orgulhos dos colegas de turma, da escola, e também da nossa Classe.  O fato é que o cenib não e aquela instituição que forma profissionais e os joga no mercado a própria sorte.  Mesmo depois que nos formamos ele continua cuidando de nós eu sou prova viva disto. No ano passado logo depois de me formar e de concluir o curso de tomografia computadorizada em 2010, tomei uma decisão importante: pedi as contas à empresa que trabalhava há mais de três anos e onde eu era supervisor de segurança. Foi uma decisão difícil para mim, mas a minha auto estima, o apoio dos colegas e a segurança profissional que constatei durante os meus estágios de radiologia e de TC, me fizeram arriscar. Comecei a me dedicar integralmente à radiologia, ajudei a alguns colegas como coringa onde fiz estágio. No último, indicado e encaminhado pela escola, fui surpreendido com uma pequena mas bem vinda ajuda de custos e logo após já estava efetuando plantões extras nesta clínica e recebendo por eles. E então me veio a maior das surpresas: por indicação do dono da Clínica, recebi um convite firmei o meu primeiro contrato de trabalho como TR. A satisfação profissional e a sensação de estar diante dos primeiros resultados significativos ainda me emocionam. Alguns chamam de felicidade, especialmente diante da valorização traduzida pelo salário na carteira. Iniciamos 2011, eu e minha irmã Heloisa, que tanto confiou e me incentivou, e com quem divido a minha alegria e compartilho a dela, além da minha grande gratidão. Estendo não só a ela mas a toda a comunidade cenib por tudo que fizeram por mim. Não posso esquecer dos professores, dos funcionários e da diretoria da escola,  pelo trabalho educacional sério e realmente voltado para o interesse dos alunos: o trabalho. A única palavra do momento é “obrigado”.

Marco Antonio Pereira

Técnico em Radiologia

CRTR. 14431T

Em nome da escola, nós também te agradecemos, inclusive pela transparência e humildade, mas principalmente pela tua escolha, coragem, dedicação, determinação e vitoriosa luta. O teu exemplo certamente não passará em branco a tantos outros futuros colegas. O mérito é todo teu. Parabéns.

 

 

Março de 2011

Helen Alves, 27 – egressa da Radiologia.

Apesar de ser jovem, essa nova profissional da Radiologia demonstra ser dotada de visão e de autocontrole. Isso é confirmado quando conhecemos a sua jornada no mundo adulto, tendo início pela sua predileção à Pedagogia, tendo feito o seu ensino médio direcionado para o Magistério, e logo iniciado o trabalho como professora em uma escola infantil. Quis ir em frente e, após ser aprovada numa seleção para atendentes no LAB`s, logo demonstrou diferencial ao liderar e orientar as colegas de trabalho, o que lhe rendeu a função de treinadora de atendentes e de outros funcionários, evoluindo, a seguir para o atual e reconhecido setor de Recursos Humanos da Instituição. Mas, queria fazer Pedagogia. Para isso saiu da empresa após seis anos, deixando a porta aberta e boas amizades. No entanto, logo constatou que não havia suporte financeiro para bancar a faculdade. Procurou ajuda, e o aconselhamento e apoio da família e de amigos do RH foram importantes na sua decisão: teria que fazer um curso técnico, trabalhar e custear a faculdade que queria. Dentre alguns, a Radiologia seria a melhor opção, especialmente pela reduzida carga horária e pela atual valorização da profissão. Também a indicação e a vinda para o CENIB foram acertadas. Levou a sério e aproveitou ao máximo as oportunidades, estudando muito e participando das aulas e levando a sérios os seus estágios, concluindo o curso com a apresentação de uma boa monografia, que optou por fazer.

Ainda enquanto estudante Helen foi aprovada em 7º lugar na prova de seleção para especialização do INCA, e aguarda a sua convocação pela FESP, após ter se classificado em 45º lugar. Agora a recém formada foi contratada para assumir uma vaga na Radiologia do local onde estagiou. Muito feliz, agradece aos que contribuíram para o seu sucesso, mesmo sabendo da sua luta, capacidade e determinação, especialmente a mãe, o esposo, aos colegas do curso, amigos do RH, além da Escola CENIB. Diz estar satisfeita com as suas decisões, sintonizada com a Radiologia e que passou a gostar, pois foi surpreendida com a estimulante e interessante área, e que ainda tem muito que aprender e pretende fazer os cursos de TC e de RM. Dessa forma a pedagogia vai aguardar um pouco pois, pelo visto, ganhou uma forte concorrente.

Rio de Janeiro, 02 de Março de 2011.

 

 

 

Janeiro de 2011

Laise Araújo – 24 anos – Egressa da Radiologia.

 

Sou Técnica em Radiologia formada pela Escola CENIB em 2009. Após concluir o ensino médio no Colégio Amaro Cavalcante(Catete), precisando trabalhar, compreendi que não me bastava um emprego mas, principalmente, uma boa profissão. Foi então que decidi vir para a Radiologia. Resolvi estudar na escola por indicação de uma amiga que já trabalhava na área e que conhecia bem a Escola. Logo me identifiquei muito com tudo durante o meu curso. Desde o início adorei a equipe de professores e funcionários.  Me senti segura e confortável com a Escola e com o ambiente escolar. Pude conviver num clima salutar de coleguismo e de construção de boas amizades.  A coordenação, a mesma que nos disciplina, nos incentiva, levanta a estima e nos dá muitas vantagens e oportunidades de estagio. Foi exatamente em um dos meus estágios que a primeira porta desse disputado campo de trabalho se abriu para mim. Ali adquiri muita segurança e minha autoconfiança aumentou, sendo assim muito grata aos colegas técnicos, por toda a atenção e ajuda que me foram dispensados.  Logo após me formar fui convidada para cobrir folgas e férias de colegas, e não demorou muito para que eu fosse selecionada e contratada como Técnica em Radiologia. Tenho orgulho e estou muito feliz com a minha honra da profissão.  Hoje graças a Deus faço parte do quadro de funcionários da empresa, emprego esse conquistado e que muito valorizo. Recentemente passei por uma feliz e surpreendente provação ao atender uma paciente que somente após verificar o seu sobrenome desconfiei e comentei algo, tendo ela chamado seu acompanhante que era o seu marido; o meu diretor e professor da escola, que me observava a distância e disse estar muito orgulhoso de mim. Mesmo sabendo de que o maior esforço para vencer é exatamente da pessoa, tenho certeza de que se não fosse a excelente formação e as orientações que tive da escola seria mais difícil conseguir emprego em tão pouco tempo de formação. Mas não vou parar por aqui. Vejo a expansão do mercado, e que as empresas estão crescendo e ampliando suas ações com novos e diferentes equipamentos na nossa área, e não pretendo assistir a isso sem uma participação ativa. Já estou fazendo o curso de extensão em Mamografia e Densitometria Óssea no CENIB, e depois farei TC ou RM. Não posso esquecer do que o Professor Brasil fala para nós, seus alunos: “Aluno cenib não pode se contentar em ser apenas mais um. Essa condição é o primeiro passo para se tornar um profissional diferenciado”. Sou recém formada e jovem. Sei que tenho um longo e promissor caminho pela frente. Também que isso depende de mim. Já tenho as ferramentas.

Agradeço a todos em especial ao professor Vinicius.

Laise Araujo Silva

 

Rio de Janeiro, 04 de Janeiro de 2011.

 

 

Novembro de 2010

Márcia Cristina Dias Mendes, 23 anos – Egressa da Radiologia

Quando decidi fazer um curso profissionalizante na área da saúde, após muito avaliar e conversar com variados profissionais de saúde, me defini pela Radiologia e obtive muitas e boas referências da Escola Cenib. Para completar, um amigo que estudou na Escola me disse que era um dos melhores cursos de radiologia do RJ e então não pensei duas vezes e me matriculei. Durante o curso de Radiologia constatei a veracidade das informações. A qualidade do ensino e a seriedade da Escola, mesmo tendo que me esforçar muito, não foi tão difícil assimilar, principalmente porque, mesmo sendo ainda jovem, já tinha experiência de trabalho, nunca encarei moleza. Escolhi um tema sobre CA e Radioterapia de Mama para minha monografia de conclusão que, com a boa orientação que recebi, e com muita dedicação, obtive grau máximo, o que me rendeu o convite para auxiliar a banca de monografia da Escola, e que me agregou muito conhecimento. Após me formar não parei de me preparar, e logo fiz cursos de especialização em Mamografia-DO e TC, o que muito me impulsionou profissionalmente e, ainda estagiando percebia que o meu futuro passava por aquele caminho.  Com responsabilidades e compromissos na família, o tempo passava e, às vezes ansiosa e precisando trabalhar, tive a sorte de contar com colegas, amigos e com a coordenação da Escola que me aconselhavam, recomendavam calma e delineavam os melhores caminhos. A minha aparência de menina e a pouca idade me exigiam mais tempo de observação para as pessoas de decisão perceberem a profissional que eu realmente sou, dizia o Professor Antonio Brasil. Mesmo durante esse período de dificuldades, o que me chamou a atenção durante meus estágios e nas entrevistas para emprego foi o peso do nome CENIB no meu currículo. E toda essa ajuda, que soube aproveitar muito bem, me valeu muito. Como “safra” as oportunidades apareceram quase ao mesmo tempo, e hoje estou atuando na área e muito realizada, trabalhando em duas das mais cobiçadas empresas do ramo, nas quais havia estagiado. Como gratidão mantenho-me a disposição para ajudar a minha Escola, quando posso. Apesar de a Escola deixar claro que o meu sucesso foi conquistado por mim, e que é mérito só meu, não posso esquecer de que a minha formação técnica foi um diferencial.

 

Rio de Janeiro, 01 de Dezembro de 2010.

 

 

Outubro de 2010

FRANCISCO FÁBIO BRITO, 25 – Egresso da Radiologia

Meu nome é Francisco Fabio e fui aluno de radiologia na escola técnica cenib onde pude aprender muito com meus colegas de sala e de profissão, mas principalmente com os professores que nunca deixaram duvidas sobre os assuntos de aula. Sempre que foi necessário tive apoio extra também da coordenação e dos funcionários. Fiz meu estagio obrigatório numa unidade onde fui orientado por um professor do curso, o que me trouxe segurança e autoconfiança. Em suma, esse conjunto de oportunidades proporcionado pela escola e muito bem aproveitado por mim, apontou o caminho do crescimento pessoal e profissional, mudando os meus projetos e a minha vida. Hoje sou apaixonado pelo que faço e pela radiologia, minha profissão.

No final do curso de radiologia me interessei por fazer a extensão em radioterapia. Mais uma vez acertei na escolha. Durante esse curso tive contato com novos professores; respeitados, experientes e maravilhosos; pessoas que possuem grande visão na área de radioterapia e que me incentivaram, motivaram e me fizeram apreciar e gostar ainda mais dessa nova área. Se não fosse com o apoio desses profissionais que hoje estimo e considero parte de minha família, certamente teria desistido, pois foi muito difícil completar a especialização. Nesse tempo eu fazia dezoito horas por dia de trabalho para poder pagar o curso e cumprir com minhas obrigações em casa, muitas vezes dormia durante as aulas já que trabalho a noite e fazia a especialização pela manhã no sábado. Com a compreensão da equipe e ajuda de meus colegas e amigos de sala eu repunha as aulas que não conseguia acompanhar por conta do sono e cansaço. Por essa ajuda e muita força de vontade obtive um bom desempenho no curso. Depois de novas e outras dificuldades pessoais, eu, ou melhor, nós conseguimos, pois é uma vitória que divido com todos os que me foram importantes nessa árdua jornada. No mês passado fui comunicado da minha contratação no centro universitário de controle do câncer (CUCC/HUPE/UERJ) onde estagiei, e tenho a honra de ser o primeiro contratado como técnico em radioterapia que não foi aluno do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Sinto-me muito orgulhoso e realizado com essa superação e muito grato aos professores que possibilitaram a minha vitoria e ao curso CENIB pela oportunidade de crescimento profissional. Hoje eu faço mais uma extensão em Tomografia Computadorizada – TC no CENIB e espero ampliar o potencial de oportunidades de trabalho, além de atender ao nosso código de ética no que se refere à necessidade de nos mantermos atualizados para atender melhor a nossa clientela. Com a informática e a tecnologia da computação hoje presente em todas as arestas da radiologia, inclusive na radioterapia, esses conhecimentos e habilidades estão interligados e vieram para ficar. Não é coisa do futuro, mas do presente. Ainda tenho dificuldades, especialmente pelo curto tempo, pois não deixei de trabalhar no meu antigo emprego(o que terei que fazer brevemente), mas eu acredito que com esforço e dedicação não há barreiras que não possam ser quebradas, principalmente por mim que já venci desafios maiores. Meus reconhecimentos, agradecimentos e incentivos ao corpo de profissionais e à Escola CENIB. Que não parem esse grande trabalho de ajuda àqueles que, assim como eu, só precisam de oportunidades para seguir seus caminhos e destinos dignamente.

Rio de Janeiro, 03 de Novembro de 2010.

 

 

 

Setembro de 2010 – HELOISA SANTOS, 31

Egressa da Radiologia Olá. Sou Heloisa Santos, Técnica em Radiologia com muito orgulho, e estou aqui para contar um pouco da minha história, que vai desde a superação de obstáculos para fazer o curso no cenib,        até o início do meu sucesso.

Sempre trabalhei com papeis, documentos e processos e nunca me imaginei trabalhando           na área da saúde, e muito menos em contato com seres humanos. Sempre fui daquelas pessoas que tem pavor de hospital. Certo dia resolvi que tinha que mudar algo em minha vida, pois queria e merecia crescer mais e mais e com isso dar um futuro melhor para minha filha, mas onde eu trabalhava não havia essa possibilidade. Foi aí que então lembrei que já havia conversado com um primo, que cursava radiologia, e fui pegar algumas informações sobre os cursos que atuam na área. Logo de início, apesar do incentivo e da indicação para estudar no cenib, ele tentou também me assustar, dizendo que eu teria que estudar muito (essa é minha especialidade, até aí é fácil, pensei), mais ao mesmo tempo me alegrou, falando sobre as vantagens da profissão. Não tive muito tempo para pensar e como tudo que faço na vida tem que ter um grande sacrifício, resolvi que esse seria o meu futuro e lá fui.   Em agosto de 2008 iniciei minha nova fase, confiante que superaria todos os obstáculos,(que não eram poucos), e assim os fiz. Sempre é claro contando com a ajuda das pessoas que estavam ao meu lado. E vieram as aulas, as provas, o estágio… Fui conhecendo pessoas novas, fiz amigos maravilhosos, tive professores muito bons, conheci bons técnicos, nos hospitais em que estagiei, que viraram amigos que ficarão para sempre no meu coração. Confesso que em alguns momentos que foi difícil, mas nunca pensei em desistir, nem mesmo nos momentos mais delicados da minha vida quando, faltando um mês para o termino do curso perdi meu pai (que era e sempre será meu herói). Só Deus sabe de onde tirei forças para me manter firme e forte. Na realidade esse foi o obstáculo mais difícil que tive que enfrentar em toda a minha caminhada mas, graças à Deus, pude contar com o apoio e força das pessoas que estava ao meu lado (em casa e na Escola) e também com o meu “anjo” que mesmo lá de cima continuou me acompanhando, me dando força e me incentivando como sempre fazia. E tenho certeza de que ele sabe dessa vitória de vida, e de que  não é só minha. Ela foi nossa!    E Como o show não pode parar, logo após o término do CURSO DE RADIOLOGIA (inicio de2010), comecei a fazer a especialização em MAMOGRAFIA/DENSITOMETRIA ÓSSEA e também em TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA, aproveitando os incentivos de ex aluna e a qualidade dos cursos da Escola. Hoje, retribuindo pela ótima formação profissional que o cenib me proporcionou, auxilio nas orientações e acompanhamento de reforço aos alunos em dificuldade ou em recuperação, no pouco tempo que ainda me resta, considerando os vários compromissos assumidos na Radiologia, no que sigo as orientações da Escola para  escolher as melhores opções de trabalho e não acumular vários empregos. Nesse sentido me encontro em treinamento em uma boa e respeitada clinica de radiologia, para onde já consegui trazer um colega de turma para o mesmo processo, muito feliz, fazendo o que amo fazer, que é ajudar pessoas. Como mãe de uma adolescente e poder ensiná-la na prática algo sobre luta, dignidade, autoestima e determinação nesse mundo de hoje é realmente um achado, coisa do meu anjo de guarda. Sem dúvida tomei a decisão certa. Mesmo na condição de recém formada, sei que é isso só o começo, mas sou muito grata à Escola, professores, colegas e funcionários pelo apoio e pela confiança!

CENIB – ESSE EU RECOMENDO !!!

MAIS DO QUE PROFISSIONALIZANTE. UMA ESCOLA DE CIDADANIA.

Rio de Janeiro, 06 de Outubro de 2010.

Heloisa Abreu dos Santos

 

 

Agosto de 2010 – Vinicius Barroso, 32

Egresso da Radiologia No ano de 2003 o inquieto jovem, então com 25 anos, e preparando-se para casar, resolveu finalmente baixar a cabeça e ouvir os conselhos da sua mãe, uma experiente funcionária hospitalar, procurando assim por um curso técnico em radiologia. Isso após fazer dois anos de Jornalismo e mais dois de História, tendo trancado tais matrículas universitárias para não mais voltar. Seus caminhos o trouxeram ao CENIB, após ampla pesquisa e algumas visitas de escolha. Logo tornou-se um dos destaques da sua turma, demonstrando objetividade e força de vontade para os estudos e também para aproveitar ao máximo as oportunidades que o estagio lhe proporcionava. Ainda enquanto estudante já tentava concursos ganhando coragem gradativamente com os resultados obtidos.  Não demorou e os primeiros resultados de sucesso apareceram, sendo convocado para assumir vaga no Hospital dos Servidores do Estado (MS) logo após a conclusão do curso, fruto de um concurso que fizera ainda enquanto aluno.  Em seguida as novas vitórias chegaram a angustiá-lo devido a vontade e a impossibilidade para assumir os novos empregos conquistados, vez que a família também o reivindicava, agora com o nascimento da primogênita. E assim, entre as classificações dos concursos do HSE, UFRJ, SMS-Rio, SMS-N.Iguaçú, CBMRJ, e SMS-Maricá,  prevaleceu o bom senso, a responsabilidade familiar, e a qualidade de vida, selecionando apenas dois postos e deixando os demais para os outros concursados, dedicando-se ainda em manter o cordão umbilical com a Escola, ajudando como professor de cursos livres, instrutor prático e com aulas de reforço aos alunos do curso de radiologia. Agora que aumentou a família com a segunda princesa (foi acometido de outro episódio de intensa sialorréia), e com as despesas aumentando, já rastreia novas oportunidades dentre os concursos públicos que possam valer uma troca de emprego. Se diz feliz por ter encontrado a paz para a sua ansiedade na Radiologia, e mais ainda quando reconhece que a profissão proporcionou a segurança e a dignidade que estendeu à família.

 

 

Julho de 2010 – Alan da Costa Brito, 29

Egresso da Radiologia Quando, em 2001, saí de Cachoeiro do Itapemirim (ES) para trabalhar e morar com o meu tio aqui no Rio, com apenas 21 anos de idade, não tinha a menor idéia sobre Radiologia. Na verdade, ainda com a cabeça de adolescente, mas que já trabalhava, pensava mesmo era em continuar trabalhando em qualquer coisa. Com uma vaga conseguida pelo meu tio em um grande hospital daqui, iniciei na saúde e fui me deslumbrando gradativamente com tudo que via e fazia. Aquilo me estimulou a ir em frente e estudar.  Mais um conselho do tio e, mesmo ainda confuso, decidi pela Radiologia. Por fim, o maior dos conselhos; fazer o curso no cenib. Confesso que me foi difícil, já que, na época, lá a duração do curso era prevista para três anos, enquanto em outros locais o cardápio era farto. Mas logo no primeiro módulo, fomos premiados pela Lei 10.588 de 2002, e soubemos que o curso fora aprovado para apenas dois anos de duração.

Aproveitei bem o um tempo e todas as chances de aprendizado no cenib e, convivendo com excelentes professores,  me encontrei na Radiologia. Fiz excelentes estágios em vários locais e ainda enquanto estagiário iniciaram as abordagens de médicos e de técnicos me acenando com estágios ou serviços em outros locais. Consegui manter a calma e não me precipitei. Logo após me formar já trabalhava como TR, e tive que recusar algumas ofertas menos interessantes. Não me afastei da Escola e ajudei como instrutor de alunos. Fiz extensão em TC e RM e fui monitor das turmas de TC durante alguns anos, até ser selecionado para trabalhar na rede SARAH, quando iniciei na unidade de Brasilia, há três anos, e hoje estou na unidade do Rio (Barra). Com a exigência da exclusividade de dedicação tive que largar os outros três trabalhos, mas não me arrependo pela escolha que fiz. Ao contrário, a renda melhorou, assim como a minha qualidade de vida e a disponibilidade que tenho para os estudos e para a família. Ainda assim consigo viajar muito a trabalho, ajudando na capacitação e no treinamento de profissionais de radiologia nas unidades da rede SARAH por todo o Brasil.

O conselho que dou aos alunos e aos interessados na radiologia é que tenham determinação naquilo que escolherem, perseverança e calma para ultrapassarem as dificuldades, e controle emocional para saberem decidir com segurança nos momentos de definição. Na verdade, tudo que se ouve durante a formação no cenib, mas nem todos tem a maturidade para assimilar para si. Hoje vejo a minha Escola e sinto orgulho por ter me formado e contribuído para a sua evolução. Mas confesso também uma pontinha de inveja e ciúme dos novos colegas pelos avanços e disponibilidades que lhes são favoráveis, que alguns poderiam chamar de facilidades, mas sei que não é isso devido a inclusão dinâmica de novos conteúdos curriculares no curso, e ao perfil disciplinar da Escola.  No meu tempo não tive isso, mas já naquela época, a Escola disponibilizava o que havia de melhor para os seus alunos. As coisas mudaram e a Escola acompanhou.  Boa sorte.

 

 

Junho de 2010 – Arthur José Soares Neto, 46

Egresso da Radiologia Minha história na RadiologiaA minha história na área da saúde, mais especificamente na radiologia, é recente, pois aos 40 anos resolvi que precisava mudar radicalmente a minha vida profissional, onde até então eu atuava coordenando uma equipe na área de telecomunicações, porém não estava satisfeito profissionalmente e esta insatisfação se refletia na minha vida pessoal.A partir deste momento e após breve pesquisa e reflexão, identifiquei-me com a radiologia a partir de uma conversa que tive com uma amiga médica radiologista e, por sua indicação, foi que conheci o CENIB e os seus diretores Antônio Brasil e Rogéria, que me receberam e me apoiaram no decorrer do curso. Este apoio dos diretores e equipe foi fundamental, pois na minha turma, onde a maioria dos alunos possuía metade da minha idade, os conflitos foram inevitáveis, entretanto com minha determinação, apoio da família e da Escola, concluí o curso me sentindo confiante e motivado.Quando a Escola me encaminhou para o estágio, ainda no primeiro ano de curso, comecei a praticar e estudar mais ainda e vi que naquele Hospital Badim fui muito bem recebido pelo corpo médico coordenado pelo Dr. Flávio Brasil e pelo corpo técnico supervisionado pelo TR. Rafael Macedo. Antes de concluir meu estágio obrigatório fui abordado pelos referidos profissionais e, logo após me formar, fui convidado pelo Dr. Flávio e o Sup. Rafael a fazer parte do corpo técnico. A partir deste momento a minha vida profissional começou a mudar muito rápido. Fui “convocado” pela Escola CENIB para orientar alunos em dificuldades e ministrar algumas práticas no curso de radiologia, sendo também indicado pelo Dr. Flávio para participar do processo seletivo do Sistema Firjan SESI, onde fui aprovado e estou atuando com muita satisfação.

Apesar do bom momento profissional, gostaria de ressaltar a importância da continuidade no aprimoramento técnico. Hoje a nossa empresa é parceira do CENIB onde os nossos profissionais têm a oportunidade de cursar as especializações e participar de simpósios e congressos visando o crescimento profissional e o cumprimento das exigências do mercado.

Atualmente além das especializações em TC e RM, estou cursando a graduação em Gestão Hospitalar, visando sempre não só o meu crescimento mas, sempre com o foco no coletivo, a saúde e o crescimento da nossa empresa.

Assim, após uma boa reflexão, agradecendo a todos que me foram e são importantes, deixei de lado uma antiga preocupação que me atormentava: a possibilidade de mudar o curso da vida com aquela idade. Os conselhos do Prof. Brasil foram taxativos: a vida é feita por tomadas de decisões; nessa profissão o mercado tem olhos próprios e, ao contrário dos demais, a idade,  pesa a favor do profissional.

 

 

Maio de 2010 – Dayvison da Silva Dutra, 23

Egresso da Radiologia

Antes de escolher um curso de Radiologia fiz uma vasta pesquisa no mercado, conversei com alguns amigos que são técnicos em radiologia e escolhi a Escola Técnica CENIB.

Confesso que fiquei um pouco apreensivo quando, na aula inaugural, o diretor falou à turma: “……não estamos aqui para falar o que vocês querem ou gostariam de ouvir, mas sim para vos dizer o que precisam ouvir para se tornarem bons profissionais…” Parecia propaganda, mas era a pura verdade. Passei a me sentir respeitado como cidadão.

Ao longo do curso percebi que tinha feito a melhor escolha, pois o curso é excelente, os professores são ótimos e os “meus colegas de turma’’ são excepcionais.

Incentivado pela coordenação e pelos professores, fiz concursos ainda enquanto aluno. Em um desses fui classificado. Logo após me formar fui chamado pela FESP e iniciei trabalhando numa UPA em São Gonçalo, conseguindo me transferir recentemente para uma unidade mais próxima da minha residência, no Rio. Feliz da vida e me preparando cada vez mais para enfrentar novos desafios, sigo os estudos fazendo o excelente curso de extensão em TC no CENIB, com o Dr Flávio. Mudei a minha vida e encontrei o meu habitat – a Radiologia. Tão grato sou à minha Escola que passei a coordenar voluntariamente o twitter, que logo bombou e evoluiu para um site, patrocinado pela Escola, com link na primeira página do portal CENIB.

Pra você que está procurando um bom curso técnico de Radiologia no mercado é muito simples, não procure o bom, e sim o excelente: Escola Técnica CENIB.

 

 

Abril de 2010

Bernadete Maria Nunes (Técnica em Enfermagem)

Fiz o curso de Técnico em Enfermagem no CENIB por indicação de um amigo Técnico em Radiologia.As informações sobre a qualidade da Escola foram mais que confirmadas. Gostei muito e também não paro de indicar para outras pessoas. Me sinto segura profissionalmente e aguardo alguns concursos para fazer.Por opção preferi trabalhar inicialmente cuidando de uma pessoa idosa e com elevado grau de dependência, por conta da melhor remuneração. Agora ela está recuperada e preferi fazer o curso de Técnico em Radiologia, além de me preparar para os concursos na Enfermagem que veem por aí.Estou gostando muito do curso de Radiologia e sei que poderei trabalhar nas duas profissões, como quero.Pelo que acompanho, da minha turma de Enfermagem só não está trabalhando quem não quis. Portanto recomendo os dois cursos para quem quiser ser bom profissional de saúde.

 

 

Março de 2010

Maria Goreti Fonseca Nascimento

Sou Técnica em Radiologia formada pela Escola CENIB. Eu trabalhava como faturista em um hospital, mas quando me sobrava um tempinho, eu ficava observando o técnico de Raio-X fazendo exame. O técnico me incentivou a fazer o curso técnico em radiologia, mais eu fiquei um pouco desconfiada porque tem muitos cursos picaretas sem ligação com o MEC e ao Conselho, na verdade fiquei com medo de perder meu tempo em algo que não conhecia direito. Ainda hoje ouço falar de cursos ilegais que existem por aí.

Então o Márcio, a quem sou grata, me disse que, embora não tivesse se formado no CENIB, havia feito um curso de especialização lá e ficou bem impressionado e me indicou. Fui muito bem recebida, vi a documentação da Escola e gostei muito.

Os professores são muito qualificados me ajudaram muito, pois eu trabalhava à noite, fazia estágio de dia e estudava. Me formei no final de 2004, tive meus estágios nos melhores hospitais, no público-hospital universitário (Fundão) passei em 2º lugar na prova de estágio oficial, no particular Barra D’Or – passei em 1º lugar. Prefeitura do Rio – 4º lugar; Prefeitura de Macaé – 21º lugar; Prefeitura de Espírito Santo – 37º lugar.

Fiz outros cursos de extensão no CENIB com o Dr. Flávio Brasil: ressonância magnética – estágio no Cardio Lab’s, e mamografia – estágio no Inca e CDPI. Me sinto uma profissional completa.

Enfim o CENIB me abriu as portas para novos horizontes e agradeço muito a todos da Escola por isso. Atualmente trabalho muito, e nos locais mais exigentes e disputados do Rio. Continuo sendo convidada, mas não tenho mais horário disponível para novos compromissos. Venci sem deixar de me dedicar à família, com esposo e dois filhos.

 

 

 

Fevereiro de 2010

Os depoimentos abaixo parecem não sintonizados mas, cada um na sua instância, apontam

para auto estima, auto valorização, transparência e autenticidade. Valores individuais primordiais

para a conquista e manutenção da cidadania. Essenciais para a consolidação do melhor perfil

profissional, tão reclamado pela classe empregadora, e pela nossa clientela em geral.

O QUE UMA ESCRITORA HOLANDESA FALOU DO BRASILAlcide Bragança de Brito (Técnico em Radiologia) – egresso CENIB

LEIA COM BASTANTE ATENÇÃO

Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil, realmente parece que é um vício

falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles

maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos.. Aqui na Holanda, os

resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado.

Só existe uma companhia telefônica e pasmem!: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco

de ter seu telefone temporariamente desconectado.

Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o

sanduíche em um guardanapo – ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e

açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a

carne.

Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas

enroladas em folhas de jornal – e tem fila na porta.

Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque

não existe. Fumam até em elevador.

Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e

qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de ‘Como conquistar o Cliente’.

Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e

cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e

geralmente na hora em que estamos emotivos.

Vocês têm uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é

chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português

brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua

Portuguesa.

Os brasileiros são vitimas de vários crimes contra a pátria, crenças, cultura, língua, etc… Os

brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar suas raízes culturais.

Os dados são da Antropos Consulting:

1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças

sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.

2.. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.

3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi

considerada a mais solidária.

4. Nas eleições de 2000, o sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estava informatizado em

todas as regiões do Brasil, com resultados em menos de 24 horas depois do início das apurações. O

modelo chamou a atenção de uma das maiores potências mundiais: os Estados Unidos, onde a

apuração dos votos teve que ser refeita várias vezes, atrasando o resultado e colocando em xeque a

credibilidade do processo.

5.. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de

40% do mercado na América Latina.

6. No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países

vizinhos não possuem nenhuma.

7. Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.

8. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas

habilitações a cada mês.

Na telefonia fixa, o país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas.

10. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número

entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.

11. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.

Por que vocês têm esse vício de só falar mal do Brasil?

1. Por que não se orgulham em dizer que o mercado editorial de livros é maior do que o da Itália,

com mais de 50 mil títulos novos a cada ano?

2. Que têm o mais moderno sistema bancário do planeta?

3.. Que suas agências de publicidade ganham os melhores e maiores prêmios mundiais?

4. Por que não falam que são o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos

brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte de seu tempo em trabalhos voluntários?

5. Por que não dizem que são hoje a terceira maior democracia do mundo?

6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que

raramente ocorre em outros países ditos civilizados?

7. Por que não se lembram que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a

língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem?

Por que não se orgulham de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os

desgostos sambando.

É! O Brasil é um país abençoado de fato.

Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos.

Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques..

Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar toda gente.

Bendita seja, querida pátria chamada

Brasil !!

Divulgue esta mensagem para o máximo de pessoas que você puder. Com essa atitude, talvez não

consigamos mudar o modo de pensar de cada brasileiro, mas ao ler estas palavras irá, pelo menos,

por alguns momentos, refletir e se orgulhar de ser BRASILEIRO !!!Nestes tempos de competição que estamos vivendo é necessário um curso capaz de se

preocupar em transmitir o máximo de conhecimento para o aluno. A Escola Cenib trata o

aluno como um ser completo. Tenho mais de um ano de formado e me sinto um cidadão

profissional.

Morando em Itaboraí – RJ, e com ofertas de cursos de Radiologia próximos, escolhi o Cenib

por informações de pessoa séria (aluno da Escola) e, mesmo com dificuldades de condução

e de tempo, eu já sabia o que queria para o meu futuro, escolhi o Cenib.

Desde o início o aluno percebe que o Cenib não visa apenas o faturamento, mas sim, o

conhecimento necessário que o aluno precisa ter para ser um bom profissional, e um

vencedor no mercado de trabalho.

O que nós precisamos saber, é que o profissional Técnico em Radiologia quando se forma,

não pode se restringir somente no que tange a sua área específica, mas sim o que ele pode

absorver de um vasto conhecimento, é isso que faz a diferença de um aluno do Cenib.

Performance: Concurso da UFRJ, 2006 – 4.º lugar; Concurso da UNIRIO, 2006 – 25.º lugar;

Concurso de Casemiro de Abreu, 2006 – 5.º lugar; Concurso de Maricá, 2007 – 24.º lugar;

Concurso da Aeronáutica, 2005 – 3.º lugar; Concurso de Itaboraí, 2007 – 3.º lugar; Concurso

de Nova Iguaçu, 2007 – 1.º lugar; Concurso de Pinheral, 2006 – 6.º lugar. (obs.: Nunca

participou de curso preparatório).

 

 

 

 

 

 

 


Importante: Todos os depoimentos são espontâneos

 

Conheça ainda mais o Cenib

cursos radiologia rj, Curso radiologia rj, Curso Técnico em Radiologia, Curso de Enfermagem, Curso de Radiologia, Complementação Técnica em Enfermagem, Técnico em Segurança do Trabalho, Curso de Auxiliar de Saúde Bucal, Curso de Almoxarifado, Curso de Atendente de Farmácia, Curso de Cuidador de Idosos, Curso de Faturamento Hospitalar, Curso de Recepcionista Hospitalar, Curso de Mamografia e Densitometria Óssea, Curso de Ressonância Magnética, Curso de Tomografia Computadorizada, Eventos científicos